MCTES Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior

46

UEM partilha resultados de investigação em Conferência Científica

A comunidade académica da UEM está reunida em Conferencia Científica, para partilhar resultados de trabalhos de investigação realizados por docentes, investigadores e estudantes desta instituição e de outras nacionais e internacionais.Ao longo dos 3 dias, serão apresentadas cerca de 250 comunicações como resultado de investigações nas áreas de Saúde; Recursos Naturais e Ambiente; Engenharia e […]

A comunidade académica da UEM está reunida em Conferencia Científica, para partilhar resultados de trabalhos de investigação realizados por docentes, investigadores e estudantes desta instituição e de outras nacionais e internacionais.
Ao longo dos 3 dias, serão apresentadas cerca de 250 comunicações como resultado de investigações nas áreas de Saúde; Recursos Naturais e Ambiente; Engenharia e Inovação Tecnológica; Produção Agrícola, Animal e Florestal; Governação, Economia e Direitos Humanos; Território, População e Desenvolvimento; Cultura, Sociedade, Educação e Informação; História, Arquivos e Memória.
O Reitor da UEM, Prof. Doutor Orlando Quilambo, que procedeu a cerimónia de abertura, reconheceu que a riqueza dos temas centrais e dos simpósios deverão constituir-se numa oportunidade para cimentar a interdisciplinaridade.
Segundo o Reitor, a Universidade de investigação que se almeja é caracterizada por complementaridade científica, com vista a criar um ambiente em que as ciências convivam e se nutram mutuamente. Outrossim, a diversidade temática da XI Conferência Científica reflecte as preocupações que os investigadores têm com assuntos directamente relacionados com áreas de intervenção que são críticas para o desenvolvimento social e para a construção do bem-estar social. “Por isso, a nossa expectativa é que esta Conferência Científica da UEM se constitua como espaço para a discussão e difusão do conhecimento científico produzido dentro e fora da instituição e que os seus resultados se configurem em propostas que poderão ser utilizadas ao serviço da resolução dos mais variados problemas que afectam o desenvolvimento do nosso país”, disse.
Quilambo disse que as condições nos laboratórios, nas salas de aula e em outros locais onde decorrem as actividades de investigação ainda não são as ideais, mas já reflectem o esforço conjugado da UEM, do governo e parceiros de cooperação para uma melhoria constante do ambiente de investigação.

Em representação do Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, a Profª. Doutora Eugénia Cossa, Directora Nacional da Ciência, Tecnologia e Inovação, referiu que a dinamização e gestão da investigação permitem a transferência do conhecimento para os diferentes actores da vida da sociedade o que, no seu entender, pode galvanizar o processo de transformação da UEM numa Universidade de investigação.
Acrescentou que a UEM tem vindo a assumir a vanguarda das transformações sociais e tecnológicas através da sua intervenção tanto formativa quanto investigativa.
A XI Conferência Científica decorre sob lema “Investigação, Extensão e Inovação para o Desenvolvimento Sustentável – UEM Celebrando Eduardo Mondlane”.
A cerimónia de abertura contou com uma palestra proferida pelo Prof. Doutor Filomeno Lopez, da Rádio Vaticano, Itália, que falou sob tema Eduardo Mondlane e a Filosofia. Na sua alocução, afirmou que não vislumbra muito engajamento dos académicos africanos em tentar estudar os problemas filosoficamente partindo da realidade cultural dos problemas locais dos países e povos. Cita como exemplo o facto de muitos trabalhos académicos sobre Moçambique e PALOPs recorrerem em quase 99 por cento da sua bibliografia a autores europeus.
Tal situação pode significar que a actual geração de estudiosos africanos não está a assumir a herança deixada por figuras como Eduardo Mondlane e Amilcar Cabral, que significa pensar com a própria cabeça e com os pés no chão, a partir da nossa realidade.
É de opinião que os estudiosos deviam olhar para a cultura local com um pouco mais de apego, mais energia e orgulho, mas sem abandonar o olhar crítico que a filosofia recomenda.

Fonte: www.uem.mz