Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior

Programa um computador
por estudante do Ensino Superior

25

MCTES capacita IES em inovação educacional com recurso às TIC

Os docentes e formadores das Instituições de Ensino Superior (IES) do país, participaram durante quatro dias, na Cidade da Beira, capital da Província de Sofala, da CTES capacita IES em inovação educacional com recurso às TIC acção que contribui para o aumento dos mecanismos de Garantia de Qualidade das IES.

A capacitação, que beneficiou 120 pessoas, foi organizada  pelo Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior (MCTES), através do Conselho Nacional de Avaliação de  Qualidade do Ensino Superior (CNAQ), com recursos financeiros do  Banco Mundial, no âmbito da implementação do Projecto de Melhoramento do Desenvolvimento de Competências em Moçambique (MozSkills).

O Vice-ministro da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, Edson Macuácua, que dirigiu a IV Edição de capacitação das IES para a inovação educacional com recurso às TIC, disse que a capacitação é um espaço de troca e aprendizado, estimulando a inovação e o aprimoramento contínuo dos sistemas de ensino superior em Moçambique, além de reforçar a capacidade e o compromisso do CNAQ em cumprir a sua missão de “Garantia de Qualidade das IES”.

Na ocasião, Macuácua enfatizou que o MCTES, dentro da sua responsabilidade social, a justiça social e o desenvolvimento do capital humano, desenvolveu este projecto para a promoção do ensino superior de qualidade no sentido de desenvolver competências digitais nos docentes das IES para a melhoria da sua actuação com recurso as TIC e também na transmissão  dessas competências para os estudantes.

Na ocasião, destacou que com o intuito de elevar o nível de qualidade no universo das 56 instituições de ensino superior, desde 2021 até a esta data já foram formados 300 docentes, dos 500 inicialmente programados,.

Como refere o Vice-ministro do MCTES, a formação reveste-se de capital importância, pornquanto a capacitação dos docentes das IES vai permitir o fortalecimento do sector académico e formação de profissionais mais qualificados e melhor preparados para os desafios do mercado de trabalho e, possibilitará vencer os desafios emergentes das crises globais, ao garantir sempre uma educação de qualidade social e economicamente relevantes, plasmado no Plano Estratégico do Ensino Superior 2012–2020 (em fase de revisão e actualização) e Programa Quinquenal do Governo de Moçambique (2020–2024).

“Com esta edição, acreditamos poder aprofundar os debates iniciados nas três edições anteriores e esperamos que os docentes formados possam trabalhar para o aprimoramento das competências digitais adquiridas para outros intervenientes deste projecto, com o intuito de lançarmos as bases sólidas rumo à almejada transformação do ensino-aprendizagem presencial para o modelo baseado no ensino-aprendizagem em linha e/ou ensino-aprendizagem híbrido” afirmou.

Para uma melhor contextualização sobre a oportunidade e pertinência desta IV edição de capacitação, Macuácua explicou que a experiência da pandemia do Novo Coronavirus (COVID-19), veio mostrar o reduzido nível  de competências digitais no sector da educação em geral e, no subsistema do ensino superior em particular,  sabendo-se que as TIC vêem-se mostrandoincontornáveis para a realidade actual do nosso País. No entanto, segundo a fonte, em meio à dificuldades de toda ordem, reinventamo-nos e conseguimos migrar de paradigma “ensino-aprendizagem presencial” para o novo normal fundamentado quer no “ensino-aprendizagem em linha”, quer no “ensino-aprendizagem hibrido”. 

É no quadro acima descrito, que o CNAQ decidiu organizar a “IV Edição de Capacitação de Formadores e Docentes em matéria de inovação educacional com recurso às TIC” para reforçar os mecanismos de Garantia de Qualidade das IES, através da partilha de experiências, conhecimentos e boas práticas educacionais baseadas em TIC,  capacitando, deste modo as IES para enfrentar os desafios do século XXI. 

Vivemos tempos desafiadores, principalmente no contexto da pandemia de COVID-19, que forçou todos os sistemas educacionais à repensarem e adaptarem suas estratégias de ensino e aprendizagem. A transição do ensino presencial para a aprendizagem online, durante o período de emergência e, a adopção do modelo híbrido de ensino e aprendizagem (blended e-learning) após a emergência, tornaram-se inevitáveis. Por isso, é consensual a ideia de que a inovação educacional, aliada às TIC, é essencial para enfrentar os desafios actuais e preparar nossos sistemas de ensino para o futuro” sublinhou o dirigente.

Lembrar que com a suspensão das aulas presenciais durante o período da Covid-19, o CNAQ, em colaboração com as IES e, visando reduzir possíveis situações de exclusão às aulas, associado à necessidade de garantir aqualidade do ensino com recurso à plataformas digitais, realizou em   2020 e em 2021,respectivamente, um inquérito de monitoria da qualidade do ensino nas IES  no contexto da Covid-19. 

Das constatações do inquérito em referência, apontou-se que, por um lado, do universo dos 240 mil estudantes que compunha a população estudantil, apenas 34% tinham acesso às aulas online e, por outro, os professores clamavam por competências adequadas para responder ao novo desafio do ensino híbrido. Estas e outras constatações conduziram que as próprias IES e o MCTES buscassem formas de capacitar os docentes para garantir uma aprendizagem e, um processo de transmissão de conhecimentos  que respeitasse o mínimo de padrões de qualidade. 

No âmbito da implementação do Sistema Nacional de Avaliação, Acreditação e Garantia de Qualidade do Ensino Superior (SINAQES), criado à luz do Decreto no. 63/2007, de 31 de Dezembro, revogado pelo Decreto no. 91/2023, de 29 de Dezembro, o CNAQ, sem prejuízo da autonomia científica e responsabilidade das IES, é desafiado à desenvolver e promover o princípio da procura constante da cultura de qualidade dos serviços prestados pelas IES, através da realização de avaliações externas de instituições, seus cursos e/ou programas, para assegurar que todo o cidadão que aceda às IES, públicas ou privadas, tenha a garantia de uma formação de qualidade.

Recorde que o CNAQ em parceria com a Universidade Eduardo Mondlane (UEM), em representação da região Sul; Universidade Licungo (UniLicungo), no Centro; e a Universidade Rovuna (UniRovuma), no Norte, estabeleceu os Centros de Referência em Qualidade e Qualificações do Ensino Superior (CeRQES), para servir de plataformas que possibilitam ao CNAQ dinamizar, ainda mais,  os seus serviços de formação, capacitação e assistência técnico-metodológica em matéria do SINAQES, e Quadro Nacional de Qualificações do Ensino Superior (QUANQES), bem como o reforço da interacção com outros sectores interessados nos serviços oferecidos pelas IES.