Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior

Programa um computador
por estudante do Ensino Superior

25

Ministro Nivagara destaca a realização da feira académica “Estudar na Europa”

O Ministro da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior Daniel Nivagara destaca a realização da feira académica “Estudar na Europa”, que proporciona a troca de experiências de acesso a bolsas de estudo e intercâmbio entre instituições de ensino superior moçambicanas e da União Europeia.

De acordo com o ministro Nivagara, a iniciativa demonstra o papel das bolsas de estudo concedidas pela União Europeia e pelos Estados Membros, tendo em vista o seu potencial para o desenvolvimento da educação no país, bem como a sua contribuição para a melhoria da empregabilidade dos jovens em Moçambique.

Com o tema “Juventude sem fronteiras–Feira de oportunidades de estudos na Europa 2024!”, o evento é um espaço para divulgar a informação sobre as plataformas de acesso de cidadãos moçambicanos a bolsas de estudo no espaço europeu e, também, para incentivar a criação de redes de colaboração e o reforço da internacionalização das instituições de ensino superior moçambicanas, consagrando a globalização de culturas, de conhecimento, do ensino e da cooperação entre nações.

Segundo registos oficiais do Instituto de Bolsas de Estudo, IP (IBE, IP), até ao presente momento, existem cerca de 445 estudantes moçambicanos estudando em diferentes países da Europa, sendo 225 do sexo masculino e 220 do sexo feminino,

“Gostaríamos de louvar o contributo que a União Europeia deu ao desenvolvimento do subsistema do ensino superior em Moçambique, através dos programas Erasmus Mundus e Erasmus Mundus + (PLUS), iniciativas que deixaram um importante legado de Capital Humano e Social, que têm participado activamente na promoção do crescimento e desenvolvimento socioeconómico de Moçambique”, sublinhou.

Por sua vez, o reitor da UP MAPUTO, Jorge Ferrão, destacou a importância do evento para aumentar a consciência das oportunidades de educação da UE entre os jovens moçambicanos, encorajando-os a aproveitar essas possibilidades. 

Para Ferrão, Estudar no exterior é uma experiência transformadora, por ser uma oportunidade para expandir horizontes culturais, desenvolver competências globais e promover o crescimento pessoal. Ao viver e estudar em um novo país, os estudantes têm a chance de imergir em novas culturas, aprender novos idiomas e desenvolver uma compreensão mais profunda do mundo. 

“A exposição a diferentes sistemas educacionais e métodos de ensino enriquece o conhecimento e as habilidades dos estudantes, preparando-os melhor para enfrentar os desafios de um mercado de trabalho cada vez mais globalizado. Além disso, estudar no exterior promove a independência, a autoconfiança e a resiliência, qualidades essenciais para o desenvolvimento pessoal e profissional”, disse Ferrão.

O evento académico é organizado pela Associação dos Estudantes Finalistas Universitários de Moçambique (AEFUM), a Universidade Pedagógica de Maputo (UP MAPUTO) e a Delegação da União Europeia em Moçambique.